segunda-feira, 14 de novembro de 2016

SERÁ MESMO QUE A MAIOR PARTE DA POPULAÇÃO AMERICANA NÃO TERIA VOTADO EM DONALD TRUMP?

Por Christina Fontenelle
14/11/2016

Não tem nada de ruim nem de tão complicado assim no processo eleitoral presidencial dos EUA. Muito menos de injusto. Se você esta achando isso, é porque, ou não se informou direito ou foi enganado pela mídia local. Entenda o processo.

O presidente se elege por um Colégio Eleitoral formado por 538 delegados - a soma de 100 Senadores + 435 Deputados + 3 Delegados de Washington D.C., que não tem senadores, mas delegados. Todos eleitos diretamente pela população. Cada estado contribui com um número ‘x’ de delegados - igual à soma de seus deputados + seus senadores no Congresso. Exceto Washington D.C., que tem três delegados.
O colégio encontra-se a cada quatro anos com "grandes eleitores" (delegados que são eleitos pelos "pequenos eleitores", que são os cidadãos comuns) de cada estado. Nas cédulas de votação, cada candidato à presidência leva junto do nome, o nome do vice-presidente e do partido afiliado. Esses votos não elegem de imediato o presidente e sim os Delegados que, depois, no colégio eleitoral, irão elegê-lo.

DEPUTADOS

A Câmara dos Representantes (Câmara Baixa) do Congresso é composta por 435 membros representantes, cada um eleito pelo sistema majoritério, representando um distrito congressional. O mandato é de dois anos. Cada estado tem direito a um número de representantes que depende da população desse estado em relação à população do país.

SENADORES

O Senado (Câmara Alta) é formado por 100 senadores. Cada estado possui direito a dois senadores, independentemente de sua população. O mandato é de seis anos. A cada dois anos um terço dos senadores é eleito. 

BATALHA DA ELEIÇÃO PRESIDENCIAL

1. PRÉVIAS
Os eleitores votam em seus pré-candidatos preferidos em cada um dos 50 Estados e no Distrito de Colúmbia (onde fica a capital, Washington), além de territórios como as Ilhas Virgens Americanas.

Há dois tipos de prévias:

- As regras variam de Estado para Estado. Em alguns, só podem votar nas prévias republicanas ou democratas os cidadãos registrados como eleitores desses partidos. Em outros, a votação é aberta a qualquer eleitor. O voto não é obrigatório. O número de delegados enviado por cada Estado à convenção nacional é proporcional à população local. Em alguns Estados, o concorrente mais votado leva todos os delegados. Em outros, o número de delegados para cada pré-candidato é proporcional à votação obtida.


- Os partidos ainda possuem os Superdelegados
Os superdelegados não são selecionados com base nas eleições Primárias ou nos Caucuses. Eles têm o seu posto na convenção de forma automática, obtendo esta condição os atuais e os ex titulares de um cargo eleito e os funcionários do partido. Estas pessoas são livres para apoiar qualquer candidato, incluindo os que tenham retirado-se da corrida presidencial, independentemente do resultado que tenha havido nas eleições primárias do Estado a que pertencem.

Partido Democrata

Os superdelegados são os membros Democratas do Congresso, os governadores e outros funcionários eleitos do partido, membros do Comité Nacional Democrata, tal como todos os ex Presidentes democratas dos EUA, os ex vice-presidentes, todos os ex líderes da maioria (ou da minoria) democrata do Senado e do Congresso e os ex presidentes do Comitê Nacional Democrata.
A convenção nacional democrata de 2008, por exemplo, tinha 794 superdelegados. Os delegados elegíveis através de eleições Primárias ou caucuses eram 3.253 - o que levava a um total de 4.047 votos na convenção. Portanto, necessitava-se de 2024 votos para ganhar a nomeação. Assim os superdelegados só representavam a quinta parte de todos os votos na convenção. 

Partido Republicano

Os únicos republicanos nesta condição são os membros do Comitê Nacional do partido. 
Na Convenção Nacional Republicana de 2008, por exemplo, os membros deste comitê eram 123, entre um total de 2380 delegados da convenção. Por isso, o seu peso era muito menor.


2. CANDIDATO ESCOLHIDO
Com o fim das primárias e caucuses, cada partido realiza uma convenção nacional para oficializar seu candidato à presidência. Na prática, trata-se apenas de uma formalidade - à esta altura, já se sabe quem serão os candidatos democrata e republicano, com base nos resultados das prévias.

3. ELEIÇÕES
No dia 4 de novembro, quando o eleitor coloca seu voto na urna, não está votando diretamente em um candidato. Estará, na verdade, escolhendo um grupo de deputados e de senadores, os grandes eleitores, que formarão o colégio eleitoral (538 delegados). O voto popular não é obrigatório.
GERALMENTE, NESTA FASE, ESTÁ ELEITO O FUTURO PRESIDENTE DOS EUA, QUE ASSUMIRÁ A PRESIDÊNCIA NO 20 DE JANEIRO SEGUINTE.

4. COLÉGIO ELEITORAL
A votação no colégio eleitoral é normalmente apenas uma formalidade, uma vez que, com base nos resultados de 4 de novembro, já será possível apontar o nome do futuro presidente dos EUA.
O número de representantes é proporcional à população de cada Estado. A Califórnia, o mais populoso, envia 55 delegados. O mínimo para um Estado são três delegados. Composto por 538 membros, o colégio eleitoral reúne-se em dezembro para votar. Para vencer, um candidato precisa receber pelo menos 270 votos no colégio eleitoral. Se nenhum conseguir o mínimo de votos, quem determina o presidente é a Câmara de Deputados.


Nem sempre o mais votado leva. Na grande maioria dos Estados, todas as vagas de delegados são reservadas para o candidato que obteve mais votos populares. Com isso, o presidente eleito nem sempre é aquele que ganhou a votação popular no país todo. Em casos raros, um candidato pode vencer no colégio eleitoral e ser eleito sem ter vencido no voto popular. 
Devido a esse mecanismo peculiar, Al Gore perdeu a eleição para George W. Bush, por exemplo, mesmo tendo 550 mil votos a mais na contagem geral, em 2000. Bush ganhou na Flórida, um Estado populoso, por uma pequena margem, e, assim, ficou com todos os votos do colégio eleitoral.

ESTE FOI O CASO DE DONALD TRUMP, EMBORA, HOJE, 14/11/2016, AINDA FALTEM APURAR OS VOTOS POPULARES EM DOIS ESTADOS!




 Os EUA têm cerca de 326 milhões de habitantes. Destes, cerca de 250 milhões (entre cidadãos maiores de 18 anos) estariam aptos a votar. Menos da metade desta gente toda foi votar nesta última eleição presidencial. Entretanto, a maior parte desse pessoal elegeu os delegados que se comprometeram a votar no candidato republicano. Se assim não tivesse sido, Trump não teria tido os 290 votos que lhe deram a garantia da vitóriaÉ SÓ OLHAR O MAPA ACIMA! E, convenhamos, num universo de 121 milhões de eleitores aproximadamente, a diferença, por enquanto, de votos populares entre os dois candidatos, que dá vantagem a Hillary, de menos de 1 milhão, representa menos de 1% dos eleitores e menos de 0,5% (meio por cento) do potencial eleitorado.

sábado, 12 de novembro de 2016

Nice to meet You! I'm the NEW New World Order...

And, yes, I came to avoid the suicide of the West.

By Christina Fontenelle
10/6/2016

 About six years ago, there was a break in the group of world magnates, owners of the largest business corporations of all business lines, who wanted to realize the project of the New World Order (group that eventually took the name of that project itself: NWO). Project of world domination, which would form a global village divided into continental blocks, under a world government to the communo-fascist molds. Of course, power would remain in the hands of these magnates and each bloc (European Union, Union of Socialist Republics of Latin America, etc.) would play a specific role, economically, politically and socially, according to the determinations of that power group.

Below, an approximate picture of what would become such blocks.

The greatest and most important barrier encountered for the implementation of such a project was the Judaic Christian social and moral values, pillars of Western society, because these values ​​and customs cherish the individual, his freedom (free will) and his 'likeness' to God creator. All Western civilization and its development, which has always gone to seek to enhance the most harmonious and just relations possible among human beings, were based on these values. To destroy them, and therefore such a civilization, the NOM project gradually linked the magnates to the Muslim jihadists and communists, who were also enemies of the West and its culture. The greatest "orange" of all time, Mr. George Soros, was the agent behind the Saudis, the Chinese and Russian governmental mafias, and of course some of the greatest tycoons on the planet.

Social reengineering (gayism, feminism, gender ideology, abortion, etc.) and global lies such as global warming were the main strategies used to make the project successful. Bringing to the governments of the countries representatives of the caliphate and socialism was essential for those strategies to be successfully implemented. But they always knew that the day would come when communists and jihadists would fight among themselves and against the tycoons themselves for power over the great world empire. It came sooner than they thought, and with an aggravation - the tycoons did not yet have the power they should have over the West. The Communists, led by Putin, and the masters of the caliphate, through their main armed wing - the Muslim Brotherhood + Islamic State - got out of control. They grew in territory and in power, including warlike (financed by the magnates themselves).

The broad rise of the left throughout Latin America, through the communist project of the Forum of Sao Paulo; The false Russian Perestroika (who supposedly would have established a democratic electoral regime in that land); The also pseudo economic opening of China (though clearly under the regime of a single and powerful political party); The Arab Spring and the expansion of the Islamic State; The consolidation of the European Union and the creation of the Euro; Among many other events of great worldwide impact - all work and grace of NOM.

Then, the split happened inside the NOM. Part of the group decided to insist on the suicide project. Soros and very powerful people of the American Democratic party, like Obama and the Clintons, for example, are part of this group. Another part of the NOM chose to abort the project in the line that followed and to found another, following another strategy. The New New World Order (NNWO) was born, which was responsible for the resurgence of the right and the conservatism in the world.

The enormous growth of conservatism in the virtual media of communication (yes, the conservatives and the right dominate the virtual world to a great extent), the appearance of countless conservative popular movements around the world, the growing conquests of spaces in universities, politics, And in so many other sectors now the exclusivity of the left - all this is a worldwide phenomenon and is a direct consequence of the emergence of this NNOM. Donald J Trump in the USA and Jair Messias Bolsonaro in Brazil are just two of the examples of the next generation of politicians. The departure of the United Kingdom from the European Union and Unesco's latest denunciation of the dictatorial situation in Venezuela are also other symptoms of this coming transformation.


The end of the chaining and lucrative traps (for the tycoons of the former NOM) of the lying theory of global warming brought on by men; The total withdrawal from the imprisoning politically correct discourse; The dismantling of lies about historical debts of races with other races; The unmasking of communist and caliphate plans to rule the world and destroy the West - all of this will become evident with more and more strength, revealing the truth to a world full of deceived people.

But why did this 'streak' happen within the old NOM? Why are dissidents good people who have put their hands on consciences? Do not.

There were two basic reasons for this break to occur. The first one concerns time. The time it took and it would take longer to complete the entire social reengineering project.

The second was the obvious threat to the dismantling of all infrastructure and technological development achieved so far, almost exclusively built by the West. It has always been in the interest of the NOM to destroy people, families, and annihilate values ​​that constituted the fundamental foundations of Western civilization, but never, at any time, was it ever considered or was it intended to destroy the foundations of infrastructure and scientific and technological development Incredible and uniquely achieved by this civilization. What would be worth dominating a world destroyed and hostile to human survival, especially without access to the luxury and comfort provided by the development already achieved?

From the moment that all this established structure was seen under the more than foreseeable threat of future destruction, through the advance of terrorism and the growing threat of nuclear / biological / electromagnetic war by Communist countries, Of the group that started the NOM project. Part of the group decided to insist on the suicide project. Soros and very powerful people of the American Democratic party, like Obama and the Clintons, for example, are part of this group. Another part of the NOM chose to abort the project in the line in which it was following and to found another one, following another strategy. The New World Order (NNOM) emerged, which was responsible for the resurgence of the right and the conservatism in the world.

The Communists began to threaten the West with a major war from the moment they imagined to have dominion over the largest Rear Zone of the planet - South America, especially with the countries that are 'here' of the Andean wall . With almost the whole continent ruled by members of the Latin American communist arm, the Forum of Sao Paulo, founded in the 1990s by Lula and Fidel Castro, Russia, in particular, felt that it could accelerate its plans for US destruction and From part of Europe (already invaded by the Muslim partners of the Caliphate). And all this with full government support ideologically faithful to the Obama / Hillary Clinton Communist NOM project. Or were you unaware of NOM / Russia plans to dominate the US from within and through the weaknesses of the democratic system? (Https://www.youtube.com/watch?v=iK4kZSU-5Cg).

Do not know what is Rear Zone? Read and / or listen in these links: 
- https://www.amazon.com/RZ-Brazil-Rearward-Zone-World-Order/dp/1523841184      
Do not know what the São Paulo Forum is? Read and / or listen in these links:

- http://www.olavodecarvalho.org/english/other/091022interview_en.html

It turns out that this domain was not real, besides being fragile. Result of the precipitation of communist clutches on the Latin American continent? Paraguay has freed itself from a communist government, and from here on it has been developing fearfully; Argentina sent Kirshner to pass; Brazil took the PT out of power, despite not getting rid of the populist and Fabian threat; The people of Colombia rejected the peace and amnesty agreement with FARC commando-guerrilla fighters; And Venezuela has returned to the streets ... And much more comes around.

Things are still confusing for us to understand to which side the world, the US and Brazil will go. And so it is for the simple fact that we are living in the midst of a fierce war, in these places particularly, for the occupation of spaces. They are daily battles; Strategic moves from all sides involved in this war. Now one side wins one battle, then the other. But the fact is that the war is won, up front. And the Communists know that they will not be the victors.

Note: when Putin boasts that he is fighting against the New World Order, it refers to the New NOM. When Donald Trump declares war on NOM, it refers in turn to that old NOM.

Anyway, for the sake of Western survival as we know it today, this component comes into play in the power struggle. It is the New New World Order, also formed by large corporations, but which, for at least the next 30 years, will be allied with men who want to live free, in peace and in improved democratic regimes. It is still too early to define precisely who the men, corporations, and institutions are behind this new component. I distrust some, others I am sure, but it is still early and imprudent to name them nominally.

It will depend on the future rulers of Brazil to place the country on the level of conscious partner of its extreme importance as Rear Zone. A country that will need to behave as a fundamental and indispensable partner of Western forces - no longer as a mere supporting victim of rulers who behave like servants, enriching themselves and their friends, throwing our country and our people into the eternal 'developing'.

Interesting and related links (in Portuguese)

domingo, 6 de novembro de 2016

MUITO PRAZER, EU SOU A NOVA ‘NOVA ORDEM MUNDIAL’

E, sim, eu cheguei para evitar o suicídio do Ocidente.

Por Christina Fontenelle
06/10/2016 

Há cerca de 6 anos, houve uma ruptura no grupo de magnatas mundiais, donos das maiores corporações empresariais de todos os ramos de negócios, que pretendiam concretizar o projeto da Nova Ordem Mundial (grupo que acabou por levar o nome do próprio projeto: NOM ou NWO, em inglês). Projeto de dominação do mundo, que formaria uma aldeia global dividida em blocos continentais, sob um governo mundial aos moldes comuno-fascistas. Lógico, o poder ficaria nas mãos daqueles magnatas e cada bloco (União Européia, União das Repúblicas Socialistas da América Latina, etc) passaria a desempenhar papel específico, econômica, política e socialmente, segundo as determinações daquele grupo de poder.


Abaixo, um quadro aproximado de quais viriam a ser tais blocos.


A maior e mais importante barreira encontrada para a implantação de tal projeto eram os valores sociais e morais judaico cristãos, pilares da sociedade ocidental, porque estes valores e costumes prezam o indivíduo, sua liberdade (livre arbítrio) e sua ‘semelhança’ com o Deus criador. Toda a civilização ocidental e seu desenvolvimento, que caminhou sempre para buscar aprimorar as relações mais harmoniosas e justas possíveis entre os seres humanos, basearam-se nestes valores. Para destruí-los, e, portanto, tal civilização, o projeto da NOM associou, aos poucos, os magnatas aos comunistas e aos jihadistas muçulmanos, também inimigos do Ocidente e de sua cultura. O maior "laranja" de todos os tempos, o senhor George Soros, foi o agente que tinha por trás de si os sauditas, as máfias governamentais chinesa e russa, e, claro, alguns dos maiores magnatas do planeta.

Reengenharia social (gayzismo, feminismo, ideologia de gênero, abortismo etc) e mentiras globais, como o aquecimento global, foram as principais estratégias usadas para que o projeto pudesse vir a ser bem sucedido. Levar aos governos dos países representantes do califado e do socialismo foi imprescindível para que aquelas estratégias fossem aplicadas com sucesso. Mas, sempre souberam que chegaria o dia em que comunistas e jihadistas brigariam entre si e contra os próprios magnatas pelo poder sobre o grande império mundial. Chegou bem mais cedo do que imaginavam e com um agravante – os magnatas não tinham ainda o poder que deveriam ter sobre o Ocidente. Os comunistas, liderados por Putin, e os senhores do califado, através de seu principal braço armado – a Irmandade Muçulmana + Estado Islâmico - saíram do controle. Cresceram em território e em poder, inclusive bélico (financiados pelos próprios magnatas).

A ampla ascensão da esquerda em toda a América Latina, por meio do projeto comunista do Foro de São Paulo; a falsa Perestroika russa (que supostamente teria instaurado naquela terra um regime democrático eleitoral); a também pseudo abertura econômica da China (ainda que claramente sob o regime de um único e poderoso partido político); a Primavera Árabe e a expansão do Estado Islâmico; a consolidação da União Européia e a criação do Euro; entre tantos outros eventos de grande impacto mundial – tudo obra e graça da NOM.

Então, aconteceu o racha dentro da NOM. Parte do grupo decidiu insistir no projeto suicida. Soros e gente muito poderosa do partido Democrata americano, como Obama e os Clinton, por exemplo, fazem parte deste grupo. Outra parte da NOM optou por abortar o projeto na linha que vinha seguindo e fundar um outro, seguindo outra estratégia. Surgiu a Nova Nova Ordem Mundial (NNOM ou NNWO, em inglês), que foi a responsável pelo ressurgimento da direita e do conservadorismo no mundo.

O enorme crescimento do conservadorismo nos meios virtuais de comunicação (sim, os conservadores e a direita dominam com larga vantagem o mundo virtual), o aparecimento de inúmeros movimentos conservadores populares por todo o mundo, a crescente conquistas de espaços em universidades, na política, e em tantos outros setores ora exclusividade da esquerda – tudo isso é um fenômeno mundial e é consequência direta do surgimento desta NNOM. Donald J Trump, nos EUA e Jair Messias Bolsonaro, no Brasil, são apenas dois dos exemplos da nova geração de políticos que vem por aí. A saída do Reino Unido da União Européia e a mais recente denúncia da Unesco sobre a situação ditatorial na Venezuela também são outros sintomas dessa transformação que está por vir.


O fim das armadilhas acorrentadoras e lucrativas (para os magnatas da antiga NOM) da teoria mentirosa do aquecimento global provocado pelos homens; o total afastamento do aprisionador discurso politicamente correto; o desmantelamento das mentiras sobre dívidas históricas de raças com outras raças; o desmascaramento dos planos comunistas e do califado para dominar o mundo e destruir o Ocidente – tudo isso virá ficando evidente com mais e mais força, revelando a verdade para um mundo cheio de pessoas enganadas.

Mas, por que aconteceu esse ‘racha’ dentro da antiga NOM? Porque os dissidentes são pessoas boazinhas que colocaram as mãos nas consciências? Não.

Foram duas as razões básicas para que essa ruptura acontecesse. A primeira delas diz respeito ao tempo. Tempo que demorou e que demoraria mais ainda para concretizar todo o projeto de reengenharia social.

A segunda foi a questão da evidente ameaça ao desmantelamento de toda a infraestrutura e do desenvolvimento tecnológico alcançado até agora, quase que exclusivamente construído pelo Ocidente. Sempre foi do interesse da NOM destruir pessoas, famílias e aniquilar valores que constituíram as bases fundamentais da civilização ocidental, do Ocidente, porém, jamais, em tempo algum, cogitou-se ou se pretendeu destruir as bases de infraestrutura e de desenvolvimento científico-tecnológico incrível e unicamente alcançado por esta civilização. De que valeria dominar um mundo destruído e hostil à sobrevivência humana, principalmente sem acesso ao luxo e ao conforto proporcionados pelo desenvolvimento já alcançado?

A partir do momento em que toda esta estrutura já estabelecida se viu sob a mais que previsível ameaça de futura destruição, por meio do avanço do terrorismo e da crescente ameaça de guerra nuclear/biológica/eletromagnética por parte de países comunistas, aconteceu o racha dentro do grupo que dava andamento ao projeto da NOM. Parte do grupo decidiu insistir no projeto suicida. Soros e gente muito poderosa do partido Democrata americano, como Obama e os Clinton, por exemplo, fazem parte deste grupo. Outra parte da NOM optou por abortar o projeto na linha em que vinha seguindo e fundar um outro, seguindo outra estratégia. Surgiu a Nova Nova Ordem Mundial (NNOM), que foi a responsável pelo ressurgimento da direita e do conservadorismo no mundo.

Os comunistas passaram a ameaçar o Ocidente com uma guerra de grandes proporções a partir do momento em que imaginavam ter o domínio sobre a maior Zona de Retaguarda do planeta – a América do Sul, principalmente com os países que estão ‘para cá’ da muralha andina. Com quase todo o continente governado pelo por membros do braço comunista latino-americano, o Foro de São Paulo, fundado nos anos 90, por Lula e por Fidel Castro, a Rússia, principalmente, achou que poderia acelerar seus planos de destruição dos EUA e de parte da Europa (já invadida pelos parceiros muçulmanos do Califado). E tudo isso com pleno apoio do governo ideologicamente fiel ao projeto da NOM comunista de Obama/Hillary Clinton. Ou vocês não sabiam dos planos da NOM/Rússia de dominar os EUA por dentro e através das fragilidades do sistema democrático? (https://www.youtube.com/watch?v=iK4kZSU-5Cg).

Não sabe o que é Zona de Retaguarda? Leia e/ou ouça nestes links:

Não sabe o que é o Foro de São Paulo? Leia e/ou ouça nestes links:

Acontece que este domínio não era real, além de ser frágil. Resultado da precipitação das garras comunistas sobre o continente latino americano? O Paraguai livrou-se de um governo comunista e, de lá para cá, vem se desenvolvendo assustadoramente; a Argentina mandou a Kirshner passsear; o Brasil tirou o PT do poder, apesar de não ter se livrado da ameaça populista e Fabiana; o povo da Colômbia rejeitou o acordo de paz e anistia com os comuno-narco-guerrilheiros das FARC; e a Venezuela voltou às ruas... E vem muito mais por aí.

As coisas ainda estão confusas para que compreendamos para que lado o mundo, os EUA e o Brasil irão. E assim estão pelo simples fato de que estamos vivendo no meio de uma guerra acirrada, nestes lugares particularmente, para a ocupação de espaços. São batalhas diárias; jogadas estratégicas de todos os lados envolvidos nesta guerra. Ora um lado vence uma batalha, ora o outro. Mas, o fato é que a guerra está vencida, lá na frente. E os comunistas sabem que não serão eles os vencedores.

Atentem: quando Putin alardeia estar lutando contra a Nova Ordem Mundial, refere-se à Nova NOM. Quando Donald Trump declara guerra contra a NOM, refere-se, por sua vez a aquela antiga NOM.

Enfim, por uma questão de sobrevivência do Ocidente como o conhecemos hoje, entra em cena mais este componente na disputa pelo poder. É a Nova Nova Ordem Mundial, também formada por grandes corporações, mas que, pelo menos pelos próximos 30 anos, estará aliada aos homens que querem viver livres, em paz e em regimes democráticos aperfeiçoados. Ainda é muito cedo para definir com precisão quem são os homens, as corporações e as instituições que estão por trás deste novo componente. Eu desconfio de alguns, de outros tenho certeza, mas ainda é cedo e imprudente citá-los nominalmente.

Dependerá dos futuros governantes do Brasil colocar o país no patamar de parceiro consciente de sua extrema importância como Zona de Retaguarda. Um país que precisará se comportar como parceiro fundamental e indispensável das forças ocidentais – e não mais como mero coadjuvante vítima de governantes que se comportam como serviçais, enriquecendo a si e aos amigos, jogando nosso país e nosso povo no eterno ‘em desenvolvimento’.

Links interessantes e relacionados:

terça-feira, 4 de outubro de 2016

COMO ASSASSINAR UMA CANDIDATURA

Por Christina Fontenelle
03/10/2016

Uma análise das pesquisas divulgadas entre abril e outubro de 2016 pode dar aos eleitores do Rio de Janeiro uma breve ideia de como a manipulação daqueles números pode (E FAZ) um enorme estrago no futuro de sua cidade! É uma espécie de fraude, assim, no ‘carão’ mesmo, às claras, nas barbas do TSE. A liderança de Marcelo Crivela era inquestionável mesmo, de modo que não é dela que vamos tratar. O assunto aqui vai ser o embuste eleitoral cometido pelos institutos de pesquisa que trabalharam direitinho para tirar de você, eleitor, toda e qualquer chance de usar a sua ‘arma eleitoral’ de voto útil – que se usa para evitar que um candidato que você rejeite seja eleito ou, no caso, chegue ao segundo turno. Os números foram tão manipulados, mas tão manipulados, que o eleitor carioca ficou completamente impotente para usar o voto útil com presteza e racionalidade. De modo que a maioria deles votou mesmo foi com ‘o coração’, com seu real desejo de votar no seu candidato preferido. Mas, na verdade, o resultado das urnas mostrou que, se não tivesse havido tamanha manipulação de números nas pesquisas, acordaríamos hoje com Flavio Bolsonaro no segundo turno para disputar a prefeitura com Marcelo Crivela. Vejamos.

video

28/04/2016
O DIA
Pesquisa realizada pelo Instituto Gerp entre os dias 21 e 24 de abril de 2016 com 400 eleitores, das quatro grandes regiões da cidade — Norte, Sul, Centro e Oeste.

Marcelo Crivella (PRB-RJ) - 35%
Marcelo Freixo (Psol) - 9%.
Alessandro Molon (Rede) - 5%
Flávio Bolsonaro (PSC) - 4%
Carlos Osório (PSDB) – 6%
Pedro Paulo (PMDB) - 2%
Cerca de 26% dos entrevistados disseram que não votariam em nenhum dos pré-candidatos apresentados. Outros informaram que ainda não sabem em quem votar.

28/06/2016
Pesquisa divulgada pela plataforma digital de estudos de tendência Dizgoo mostra o candidato Marcelo Freixo (PSOL) em primeiro lugar nas eleições municipais do Rio de Janeiro, com 20,82% da preferência dos cariocas. A pesquisa nem menciona o também pré-candidato Flavio Bolsonaro!



A partir deste momento, Flavio Bolsonaro e Marcelo Freixo passam a aparecer nas pesquisas como tecnicamente empatados.

08 de julho de 2016
Jornal do Brasil


23/08/2016
Pesquisa Ibope ouviu 805 eleitores entre 20 e 22 de agosto sobre Prefeitura do Rio.
Do G1 Rio
A pesquisa foi encomendada pela TV Globo.

- Marcelo Crivella (PRB) - 27%
- Marcelo Freixo (PSOL) - 12%
- Flávio Bolsonaro (PSC) - 11%
- Jandira Feghali (PC do B) - 6%
- Pedro Paulo (PMDB) - 6%
- Índio da Costa (PSD) - 5%
- Carlos Osório (PSDB) - 4%
- Alessandro Molon (Rede) - 2%
- Carmen Migueles (Novo) - 1%
- Cyro Garcia (PSTU) - 1%
- Branco/nulo - 20%
- Não sabe/não respondeu - 5%

26/08/2016
Datafolha para prefeito no Rio por sexo, idade, escolaridade, renda e religião




Veja a seguir os números da pesquisa por sexo, idade, escolaridade, renda e religião.


Na pesquisa acima, percebe-se que, entre os homens mais novos, religiosos e com menos escolaridade, Flávio Bolsonaro aparece com boa vantagem sobre Freixo. Ou seja, teoricamente, com boas chances de abarcar uma parte maior do eleitorado carioca.

4 de setembro de 2016

A partir de meados de setembro, SEM QUE NADA TIVESSE OCORRIDO PARA MODIFICAR AS OPÇÕES DE VOTOS DO LEITORADO, repentinamente, candidatos como Jandira Feghali, Osório e Pedro Paulo começam a subir nas pesquisas. A partir deste momento, o eleitorado começa a perder o poder de análise correta sobre como usar o ‘voto útil’ para tirar Freixo do segundo turno e, futuramente, Crivella da prefeitura. Com todos os candidatos em iguais condições de competição por uma vaga no segundo turno, a tendência do eleitorado foi ou optar por seu candidato preferido ou tentar um voto útil em Pedro Paulo – que as pesquisas apontavam como o candidato que mais crescia na preferência do eleitorado.

14 Setembro 2016
O Estado de S.Paulo

Pesquisa divulgada pelo Ibope, que ouviu 1.001 eleitores, nos dias 12 e 13 de setembro.
RIO - O candidato Marcelo Crivella (PRB) é o líder na intenção de votos para prefeito do Rio de Janeiro, com 31%. A diferença percentual entre o candidato do PRB e o segundo colocado, Marcelo Freixo (PSOL), aumentou de 15 para 22 pontos. Em seguida aparecem cinco candidatos em empate técnico: Marcelo Freixo (PSOL) e Pedro Paulo (PMDB), com 9%; Flávio Bolsonaro (PSC) e Jandira Feghali (PC do B), com 8%; e Indio da Costa (PSD), com 7%. Carlos Roberto Osorio (PSDB) tem 3% e Alessandro Molon (Rede) e Cyro Garcia (PSTU) têm 1% cada. Os votos brancos e nulos chegariam a 14% e 4% não sabem em quem votar ou não quiseram responder.

27/09/2016
Pesquisa Datafolha feita com 1.144 entrevistas com eleitores de todas as regiões da cidade do Rio de Janeiro, com 16 anos ou mais.

A seis dias do primeiro turno das eleições municipais, mostra um cenário estável nas intenções de voto, com Marcelo Crivella (PRB) na liderança, com 29%, e uma disputa acirrada pelo segundo lugar, com cinco candidatos empatados tecnicamente. Pedro Paulo (PMDB), Marcelo Freixo (PSOL), Jandira Feghali (PC do B), Flávio Bolsonaro (PSC) e Osório (PSDB) - é a primeira vez que o tucano aparece nesta situação.
Dos cinco candidatos tecnicamente empatados na segunda colocação, Pedro Paulo é o único a apresentar crescimento no período: 5% em agosto, 8% no início de setembro, 9% na semana passada e agora, 11%.
Considerando os votos válidos, sem contar os votos em branco ou nulo e sem os indecisos, Crivella tem 37%, Pedro Paulo, 14%, Freixo, 13%, Bolsonaro, 10%, Feghali, 9%, Osorio, 7%, Indio da Costa, 7%, Molon, 2%, Migueles, 1%, Garcia, 1% e Bastos foi citada, mas não alcançou 1%.

Na situação Crivella versus Freixo, o candidato do PRB teria 51% das preferências (tinha 53%), o candidato do PSOL teria 29% (tinha 26%), votariam em branco ou nulo 18% (mesmo índice anterior) e não opinaram, 3% (mesmo índice anterior). O senador receberia a maior parcela dos votos em 1º turno de Flavio Bolsonaro (53%), de Indio da Costa (41%), de Pedro Paulo (46%) e dividiria a preferência entre os eleitores de Feghali (42% a 42% de Freixo) e de Osorio (37% a 41% de Freixo).

Na situação Crivella versus Bolsonaro, o senador teria 51% das preferências (tinha 55%), o deputado estadual, 22% (tinha 19%), votariam em branco ou anulariam o voto 24% (era 23%) e não opinaram 2% (era 3%). Crivella receberia a maior parcela dos votos em 1º turno de Freixo (36%), de Feghali (47%), de Pedro Paulo (52%), de Indio da Costa (38%) e de Osorio (37% a 29% de Bolsonaro).
  
Agora, observem o ‘assassinato’ das chances de Flavio Bolsonaro chegar ao segundo turno, nesta pesquisa divulgada, NA VÉSPERA DA ELEIÇÃO, fazendo com que milhares de eleitores mudassem seu voto para Pedro Paulo, como sendo o único candidato capaz de tirar Freixo do segundo turno. Ora, analisando o resultado final das eleições, nota-se claramente que Flávio Bolsonaro – somados os votos cativos e os eventuais votos úteis que teria, se aparecesse na sua REAL POSIÇÃO DE PREFERÊNCIA ENTRE O ELEITORADO – poderia perfeitamente ter chegado ao segundo turno!
Essa pesquisa foi um golpe no eleitorado carioca e na candidatura de Flávio Bolsonaro. Caso de polícia mesmo! Caso de processo!
Se tivéssemos um TSE preocupado com lisura e com responsabilidade frente às pesquisas que registra e deixa divulgar, esses institutos de pesquisa seriam multados e impedidos de trabalhar nas próximas eleições.

02/10/2016
Na véspera da eleição, Crivella lidera e Freixo assume 2º lugar no Rio 
Pesquisa Datafolha realizado nos dias 30 de setembro e 01 de outubro de 2016, com 2.159 eleitores de todas as regiões da cidade do Rio de Janeiro, com 16 anos ou mais.

Votos totais
- Marcelo Crivella (PRB) - 27%
- Marcelo Freixo (PSOL) - 13%
- Pedro Paulo (PMDB) - 10%
- Indio da Costa (PSD) - 9%
- Osorio (PSDB) - 8%
- Flávio Bolsonaro (PSC) - 7%
- Jandira Feghali (PC do B) - 6%
- Alessandro Molon (Rede) - 2%
- Carmen Migueles (Novo) - 1%
- Branco/nulo - 14%
- Não sabe/não respondeu - 4%
Marcelo Crivella (PRB): teve 28%, 29%, 31%, 29%; agora está com 27% (pela margem de erro, tem entre 25% e 29%)
Marcelo Freixo (PSOL): teve 11%, 11%, 10%, 10%; agora está com 13% (entre 11% e 15%)
- Pedro Paulo (PMDB): teve 5%, 8%, 9%, 11%; agora está com 10% (entre 8% e 12%)
- Indio da Costa (PSD): teve 4%, 6%, 6%, 5%; agora tem 9% (entre 7% e 11%)
- Carlos Osorio (PSDB): teve 3%, 4%, 4%, 6%; agora tem 8% (entre 6% e 10%)
- Flávio Bolsonaro (PSC): teve 9%, 6%, 7%, 7%; agora tem 7% (entre 5% e 9%)
- Jandira Feghali (PCdoB): teve 7%, 8%, 9%, 7%; agora tem 6% (entre 4% e 8%)
- Alessandro Molon (REDE): teve 2%, 1%, 2%, 1%; agora tem 2% (pode chegar 4%)
- Carmen Migueles (NOVO): teve 0%, 0%, 0%, 1%; agora tem 1% (pode chegar a 3%)
- Brancos e nulos: eram 20%, 19%, 15%, 15%; agora são 12%
- Indecisos: eram 9%, 7%, 6%, 7%; agora são 5%
Cyro Garcia (PSTU) e Thelma Bastos (PCO) foram citados, mas não alcançaram 1%.

RESULTADO FINAL DAS ELEIÇÕES
Crivella – PRB - 27,78% - 842.201 VOTOS
Marcelo Freixo – PSOL - 18,26% - 553.424 VOTOS
Pedro Paulo – PMDB - 16,12% - 488.775 VOTOS
Flávio Bolsonaro – PSC - 14,00% - 424.307 VOTOS
Indio Da Costa – PSD - 8,99% - 272.500 VOTOS
Osorio – PSDB - 8,62% - 261.386 VOTOS
Jandira Feghali - PC do B - 3,34% - 101.133 VOTOS
Alessandro Molon – REDE - 1,43% - 43.426 VOTOS

129.117 votos foi a diferença entre Freixo e Bolsonaro!
Quantos votos úteis Bolsonaro perdeu por causa da divulgação desta pesquisa que o colocava com apenas 7%, abaixo de Índio da Costa e de Carlos Osório, e praticamente empatado com Jandira Feghali?
As urnas confirmam a minha análise, principalmente porque os especialistas sabiam perfeitamente que o eleitorado de Flavio Bolsonaro não mudaria seu voto e que jamais faria voto útil em Pedro Paulo.
Parabéns a quem não votou, a quem votou em Branco ou Nulo! Parabéns aos estrategistas que divulgaram pesquisas assassinas de candidaturas! Parabéns à Justiça eleitoral que permitiu essa barbaridade e que nem ao menos uma satisfação deu ao eleitorado carioca, depois do resultado das eleições!

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

ESPIONAGEM DOS EUA POR OUTRO ÂNGUL0



Por Rebecca Santoro/Christina Fontenelle
11/07/2013

Para que se compreenda a enorme idiotice e hipocrisia que ronda toda essa escandalização do mundo com a espionagem cibernética dos EUA, eu recomendo a leitura de dois artigos: ‘ESPIONAGEM E INTELIGÊNCIA. JOGANDO O JOGO, de Marco Antonio dos Santos, e INTELIGÊNCIA MILITAR, de Waldo Luís Viana. Os dois textos se completam e falam muito bem sobre a parte mais técnica relacionada ao tema, além de abordar o papel ridículo que o governo e autoridades brasileiras estão fazendo em torno do episódio. Eu vou abordar o assunto por outro ponto de vista.
O ex-agente da CIA e ‘desertor’ da NSA, Edward Snowden, que ‘revelou’ o programa de espionagem dos EUA, parece ter se transformado em herói dos que odeiam os EUA. Como nada do que se torna manchete nas mídias de grande alcance ao redor do mundo é fruto de simples relato de acontecimentos com potencial para se tornar notícia, não é sinal de inteligência achar que este rapaz esteja agindo por conta própria ‘para livrar a humanidade das garras do Big Brother norte-americano’. Tenham a santa paciência...
Vamos raciocinar. Os postos chave no comando do governo nos EUA são sistematicamente ocupados – e não importa se por democratas ou por republicanos – por pessoas ligadas à Oligarquia Financeira Transnacional – que são as grandes corporações que pretendem formar um governo mundial sob uma Nova Ordem Mundial. E isso acontece em detrimento da própria população e do Estado norte-americano. Este mesmo grupo domina completamente a grande mídia. Portanto, quando o rapazinho desertor da CIA aparece com destaque na mídia mundial atacando o governo dos EUA, é porque é do interesse da Nova Ordem Mundial.
E quais os interesses desse grupo que estão em jogo em relação às telecomunicações, via telefone ou computadores? Bem, um primeiro deles já foi satisfeito, que é o de fazer com que grande parte da humanidade se submetesse ‘voluntariamente’ à condição de estar passível de rastreamento e de monitoramento ao utilizar a rede internacional (internet ou telefone) de telecomunicações. Ninguém, em sã consciência, jamais pode ter achado que não estaria passível de rastreamento e de monitoramento ao utilizar qualquer que fosse o meio para se telecomunicar (comunicar-se com alguém à distância). Portanto, quem sai nessa chuva já sabe que vai se molhar.
Entretanto, ao mesmo tempo em que as pessoas estão submetidas a esta exposição, nos lugares onde a internet é supostamente livre, elas acabam por poder informar-se melhor e até por poder organizar-se para lutar por seus direitos e por aquilo que acreditam ser o melhor para si mesmas. Enquanto o poder da internet, via e-mails e redes sociais, for usado para promover grandes manifestações e mobilizações populares para promover eventos como “Occupy Wall Street”, nos EUA, e a “Primavera Árabe”, em alguns países do Oriente Médio, está tudo dentro dos planos e do desejo dos agentes da Nova Ordem Mundial. Agora, quando, como no Egito, a mesma ‘rede’ é usada para promover conquistas populares independentes e legítimas que vão de encontro aos interesses destes agentes, a coisa começa a sair do controle e, naturalmente, ‘providências’ são tomadas.
Por que cito o que acontece no Egito? Porque a reação dos governos de países alinhados com a Nova Ordem Mundial, entre eles o Brasil, e da grande mídia mundial, principalmente a televisiva – que alcança muito mais gente – ao que se sucedeu naquele país nas últimas semanas é um excelente exemplo de como agem estes agentes em relação aos que não se curvam aos interesses que não sejam aos nacionais. Naquele país, 70% da população, boa parcela dela nas ruas, apoiada constitucionalmente pela oposição no Congresso e por suas Forças Armadas, retirou do poder um grupo radical islâmico, a Irmandade Muçulmana, que, na figura do presidente Mursi, vinha, com o uso da força e da ‘canetada’, tentando fazer do Egito um estado teocrático islâmico que estava a perseguir e a matar opositores e cristãos. Eu sei, não foi isso que a grande mídia tem contado por aí. Mas, foi exatamente o que aconteceu. Agora, a maioria dos egípcios, bem como os militares e a oposição parlamentar à Irmandade Muçulmana, além de terem que enfrentar internamente a reação armada dos terroristas militantes da IM, têm também que enfrentar o achincalhamento de sua conquista por parte da mídia mundial, que insiste em chamar de golpe militar a ação constitucional das Forças Armadas egípcias em defesa do povo daquele país.
O recado é claríssimo. A carapuça que vista quem lhe couber. Os que ousarem se libertar das garras dos agentes da Nova Ordem Mundial enfrentarão guerra civil, terrorismo, vitimização dos inimigos internos e achincalhamento por parte da grande mídia mundial e, finalmente, represálias políticas e econômicas por parte dos países onde estes agentes atuem mais descaradamente, como é o caso do Brasil. Nos EUA, o ‘buraco é mais embaixo’ porque o estado-nação ainda é muito forte.
Voltando ao caso da espionagem norte-americana, o objetivo do estardalhaço mundial em relação à espionagem cibernética dos EUA, praticada internamente e em vários países, é tão somente promover o cerceamento das liberdades no uso da internet, não só dentro dos próprios EUA como também ao redor do mundo, onde for do interesse dos agentes da Nova Ordem Mundial. Inúmeras notícias sobre espionagem cibernética praticada por diversos países contra seus próprios cidadãos e contra outros países já foram veiculadas pela imprensa mundial e não permaneceram na pauta por mais que dois dias. Rússia, China, Cuba e Irã, ao lado dos EUA, são os frequentadores mais assíduos deste tipo de noticiário. Os EUA podem até espionar todo mundo (um contra todos), mas, convenhamos, são também as maiores vítimas de espionagem por parte de outros países do planeta (todos contra um).
Recentemente, por exemplo, a ONU foi procurada pela oposição ao agora eleito presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, para denunciar fraude nas eleições. A imprensa mundial noticiou, mas concentrou cobertura na recontagem de votos pedida pela oposição. Praticamente não se ouviu falar das denúncias de ação de ‘hackers’ que, atuando de Cuba, intervieram, ciberneticamente, no processo de apuração das urnas eletrônicas usadas na Venezuela. São denúncias gravíssimas baseadas em documentos e depoimentos de especialistas que trabalharam na execução das fraudes, com o agravante de que, segundo estes depoimentos, o mesmo processo poder ter sido ou poderá ser usado para fraudar eleições e consultas populares em outros países que usem urnas eletrônicas. (LEIAM: CUBA CONTROLOU AS ELEIÇÕES MEDIANTE REDE SECRETALOS FUNDAMENTOS DEL FRAUDE CRONICA DE UN FRAUDE). Repetindo, a carapuça que vista quem lhe couber.
Outra matéria interessante, publicada lá em 02/12/2011, é aquela na qual o Wikileaks dizia que 25 PAÍSES FAZEM ESPIONAGEM EM MASSA por meio de celulares e de computadores e que o nosso Brasil está entre as nações que fariam, secretamente, interceptações telefônicas. De acordo com centenas de documentos obtidos pelo site, estas nações contam com a ajuda de cerca de 160 empresas de inteligência do setor de vigilância em massa. Além disso, o Wikileaks afirma que essas “empreiteiras” conseguem, secretamente, interceptar ligações e controlar computadores sem que as operadoras saibam. Blá, blá, blá....
Ou seja, há dezenas de casos semelhantes. Cito alguns emblemáticos aqui:
Estamos no século XXI. As guerras de 4ª e de 5ª geração são realidade já faz alguns anos. O mundo espiona o mundo, tanto para atacar como para se defender. E vai continuar sendo assim enquanto estados-nações continuarem em sua agonia lutando contra outros estados-nações e todos contra a Nova Ordem Mundial.
Aproveitando o ‘escândalo’ da espionagem dos EUA, países como Brasil, Venezuela e Rússia (cujos governos comungam de interesses ideológicos semelhantes) já correram para a ONU pedindo para que seja implementado um marco regulatório para a internet. Leia-se CENSURA. Por aqui, internamente, já surgem no Congresso as primeiras vozes pedindo o NOSSO marco regulatório. E ele virá. Se não for agora, daqui a mais alguns anos. Entretanto, por agora, foi aprovada no Congresso a criação de uma CPI para investigar o caso de espionagem contra o Brasil por parte dos EUA. Um atestado de antiamericanismo ‘cucaracha-tupiniquim’ de causar vergonha alheia em qualquer brasileiro que tenha um mínimo de instrução.
A liberdade é um bem muito precioso ao qual só tem direito aquele que luta com todo o seu vigor para conquistar, e com muito mais intensidade ainda para manter. Informação e conhecimento são armas imprescindíveis no arsenal desse guerreiro que não pode ser somente um nem estar só.